Primeiras impressões Ford EcoSport FreeStyle 1.5 - Quem foi rei...

Primeiras impressões Ford EcoSport FreeStyle 1.5 – Quem vê cara…

Ford EcoSport FreeStyle 1.5

Ford EcoSport FreeStyle 1.5

O precursor do segmento de SUVs compactos no Brasil está de volta ao jogo e, para não perder o pioneirismo, traz uma receita mecânica até então inédita na categoria: motor de 3 cilindros e 1.5 litro com câmbio manual de 5 marchas e automático de 6 posições. Esse é o novo trem de força que vai equipar as versões de entrada SE e intermediária FreeStyle do novo EcoSport 2018, que juntas deverão responder por mais de 80% das vendas do modelo.

Publicidade
Ford EcoSport Freestyle 2018

O que é?

Conforme antecipamos pela avaliação da versão Titanium 2.0 (veja o vídeo aqui), o EcoSport 2018 mudou muito mais do que o leve “tapa” no estilo permite antever. É tudo novo sob o capô e mais de 50% novo no interior. Antes que você pergunte, sim, o estepe continua do lado de fora, mas a Ford tem uma boa explicação. A primeira é que a opção sem estepe, disponível na Europa, não daria certo por aqui por vir com kit de reparo de pneus – e sabemos muito bem que nossas vias podem causar rasgos nos pneus que não são resolvidos por kit de reparos. A outra explicação é que, segundo clínicas com consumidores, o Eco tem como característica o estepe na tampa traseira e seus consumidores aprovam. Ou seja, quem quiser um EcoSport com a tampa lisa vai ter que esperar a próxima geração.

Da mesma forma, o espaço interno segue como um dos menores do segmento, principalmente no banco traseiro. Também não espere por aumento no porta-malas, de somente 356 litros. A única novidade nessa parte é uma prateleira divisória do compartimento e um novo sistema de rebatimento do banco traseiro que permite deixar o piso plano. Dito isso, vamos ao que mudou.

Ford EcoSport 1.5 2018

A estrela da linha fica por conta do motor 1.5 3C Flex, a princípio importado da Índia (há planos de produzi-lo em Camaçari, BA, num futuro próximo). Trata-se de uma moderna unidade com bloco e cabeçote de alumínio, quatro válvulas por cilindro (12V no total) e duplo comando variável na admissão e escape. Além disso, ele vem com correira de comando banhada em óleo (isenta de manutenção), tuchos hidráulicos com balancins roletados (para redução de atrito), vela de ignição centralizada (melhor queima), coletor de escape integrado (permite ao motor atingir a temperatura de funcionamento mais rápido), bobina de ignição individual, bomba de óleo variável (diminui esforço do motor quando não necessário), sistema de partida sem tanquinho e eixo balanceiro com mancais hidrodinâmicos (para menor vibração).

O novo tricilíndrico substitui o atual Sigma 1.6 de 4 cilindros com vantagem da menor massa, menor peso e consequentemente menor consumo. De acordo com os dados do Inmetro, o EcoSport 1.5 manual tem médias de 8,3 km/l na cidade e 9,0 km/l na estrada, com etanol, e 11,6 km/l e 13,1 km/l, respectivamente, com gasolina. Na versão automática esses valores passam a 7,1 km/l e 8,9 km/l (etanol) e 10,4 km/l e 12,8 km/l (gasolina), na ordem. Ambos os modelos obtiveram nota A pelo Conpet.

Vale lembrar que, além da parte mecânica, a Ford fez modificações na aerodinâmica do Eco, incluindo grade dianteira ativa (que abre e fecha de acordo com a necessidade) e defletores debaixo do carro, resultando num Cx de 0,35, contra 0,395 do anterior.

Ford EcoSport Freestyle 2018

De “brinde”, o novo 1.5 ainda é mais potente que o 1.6 e entrega sua força em rotações menores, notadamente até os 3 mil giros – condição mais comum para a maioria dos motoristas. São até 137 cv de potência (contra 131 cv do 1.6) e 16,2 kgfm de torque (15,9 kgfm). Outra mudança fica por conta nova transmissão automática 6F15 de 6 marchas, com conversor de torque, que substitui a problemática Powershift de dupla embreagem, prometendo trocas mais suaves e isenção de manutenção (o óleo da caixa é para toda a vida útil do sistema).

Resolvido o problema do Powershift, a Ford atacou outra crítica feita ao Eco: acabamento e montagem. As novas versões 1.5 seguem o padrão de desenho e materiais da 2.0, se diferenciando apenas pela cor escura dos tecidos e pela oferta de equipamentos, obviamente. Destaque do interior agora é o painel de espuma injetada, macio ao toque, em conjunto com a central multimídia no alto do peça, em posição “flutuante” como no Fiat Argo. São dois sistemas do Sync 3: um com tela de 6,5, para o modelo SE, e um de 8″ com GPS para as versões FreeStyle e Titanium. Ambos contam com tela sensível ao toque, duas entradas USB no painel e interação Apple Car Play e Android Auto, representando um imenso salto em relação ao Sync com telinha monocromática do antigo Eco.

Ford EcoSport 1.5 2018

Para completar, o SUV da Ford recebeu novos bancos, mais cômodos, e um novo quadro de instrumentos com tela digital para informações do computador de bordo e demais sistemas do carro – sendo uma tela colorida de 4,2″ na versão FreeStyle e monocromática de 2,3″ na SE. O volante agora é o mesmo do Focus, de três raios, com borboletas para mudanças de marcha nas versões automáticas.

Por fim, a direção elétrica foi recalibrada e a suspensão foi mexida para aumentar o conforto. Recebeu 17 mm extras de curso e novas buchas na dianteira, enquanto a traseira teve o eixo de torção enrijecido em 15% e ganhou novas buchas na barra estabilizadora. Em adição, a Ford afirma ter aumentado a rigidez da carroceria em 5%, além de ter aplicado o controle de rolagem da carroceria ao sistema de controle de estabilidade. Pneus também são novos, tanto os de aro 15″ (SE) quanto os de 16″ (FreeStyle).

Como anda?

Depois de tantos lançamentos de SUVs compactos, o Eco deixou de chamar atenção na rua. E o modelo 2018 não vai mudar essa condição, até porque a nova dianteira é tão semelhante a de outros carros da marca que não causa surpresa. Pior é a traseira que praticamente não mudou. Apenas colocando ao lado modelo antigo consegui perceber a mudança (mínima) no para-choque. Faltaram lanternas com novas lentes, para dizer o mínimo. Ao menos as rodas aro 16″ com acabamento escuro são bonitas e, a partir de agora, todas as versões ganharam faróis com projetor e faróis de neblina de série.

Ford EcoSport Freestyle 2018

Já por dentro a sensação de novidade é bem maior. Os botões do ar-condicionado ganharam toque metalizado, que ampliam a sensação de qualidade, e o quadro de instrumentos parece de carro mais caro. A central multimídia ficou em posição fácil de acessar, mas a peça que a encaixa no painel parece acessório. O acabamento melhorou bastante no uso dos materiais, mas, ao menos na unidade avaliada, ainda foi possível notar algumas falhas de montagem e recorte de peças plásticas. Nada, porém, que faça ter saudade do modelo anterior.

Dada a partida, apenas uma leve vibração e o ronco característico denotam o motor 3 “canecos”. Como esperado pelo desenho da curva de torque, elevada logo no começo, a entrega de força em baixos giros é notável. O Eco está mais esperto em saídas de lombada e em situações gerais de trânsito. O novo propulsor tem ruído característico, mas não incomoda pela vibração característica dos tricilíndricos, que foi muito bem isolada pela Ford. Conforme os giros aumentam, o motor mostra funcionamento liso, exibindo boa vontade em altas rotações.

Em desempenho, porém, confesso que não senti muita diferença em relação ao 1.6, principalmente depois do carro embalado. O 1.5 é melhor em baixa, mas na estrada eles se equivalem. Só saberemos se houve ganho real após o nosso teste completo, que acontecerá em breve. Vale lembrar que o novo câmbio automático com conversor de torque rouba força do motor, enquanto o Powershift de dupla embreagem era melhor neste aspecto. A nova caixa, no entanto, é bem mais eficiente no que diz respeito ao conforto. Tem mudanças suaves e não apresenta aquele “patinamento” do Powershift. As trocas pelo volante também funcionam bem, com mudanças em 0,8 segundo.

Ford EcoSport Freestyle 2018

O que também colabora no conforto é a suspensão recalibrada, que ficou claramente mais macia em pisos ruins, além de mais silenciosa. Falando em ruído, a Ford diz ter trabalhado pesado para reduzir os incômodos aos ocupantes, seja vindo do motor ou da rodagem. De fato o carro está mais silencioso, mas, ainda assim, na unidade avaliada era perceptível um chiado de vento nas janelas dianteiras, quando em velocidade de cruzeiro na estrada.

Quanto custa?

O EcoSport 2018 está muito mais maduro. Aposentou o câmbio que gerava polêmica e trocou um motor ainda moderno (Sigma 1.6) por um ainda mais eficiente. O interior subiu diversos degraus em refinamento. Pena que o SUV ainda manteve o tamanho de antes, ficando atrás da concorrência em espaço e, em muitos casos, também no porta-malas. Fora o estepe na tampa que gera certa rejeição de alguns consumidores.

Para contornar esses pecados, que mesmo a Ford admite ter, a marca resolveu investir na relação custo-benefício. Ou seja, a combinação de preço atraente com pacote recheado de equipamentos. E disso não dá pra discordar que o EcoSport passa a ser o mais completo da turma. Desde a versão de entrada, de R$ 73.990, o modelo já vem com 7 airbags e controles de tração e estabilidade, além da central multimídia com tela de 6,5″.

Ford EcoSport Freestyle 2018

No caso da versão FreeStyle avaliada, que deverá ser a mais vendida da gama, ela adiciona ar digital, rodas aro 16″, multimídia de 8″ com GPS e câmera de ré, sensor de ponto cego, bancos parcialmente revestidos de couro, luzes diurnas em LED, cluster com tela de 4,2″ colorida e a base do porta-malas ajustável. Tudo por R$ 86.490, um valor que o deixa muito bem posicionado diante de Nissan Kicks SL, Creta Pulse 1.6 e Captur CVT.

Então, se hoje o Eco não está mais sozinho, pelo menos ele volta à briga com bons argumentos. Se você não liga pra estepe externo e não faz muita questão de espaço, o modelo da Ford é certamente um forte candidato, principalmente se você quer um SUV bem equipado e bom de dirigir.

Fotos: divulgação

Ford EcoSport FreeStyle 2018

MOTOR dianteiro, transversal, 3 cilindros, 12 válvulas, 1.497 cm3, duplo comando variável, flex
POTÊNCIA/TORQUE 130/137 cv a 6.500 rpm / 15,6/16,2 kgfm a 4.500 rpm
TRANSMISSÃO automática de seis marchas; tração dianteira
SUSPENSÃO independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira
RODAS E PNEUS liga-leve aro 16″ com pneus 205/60 R16
FREIOS discos ventilados na dianteira e tambor na traseira com ABS e EBD
PESO 1.272 kg em ordem de marcha
DIMENSÕES comprimento 4.269 mm (com estepe), largura 1.765 mm, altura 1.693 mm, entre-eixos 2.519 mm
CAPACIDADES tanque 52 litros; porta-malas 356 litros
PREÇO R$ 86.490

Comentários no Motor1


Publicidade